5 coisas que mais irritam os entrevistadores na entrevista

Consultor, coach e professor da IBE-FGV, Vagner Sandoval, explica porquê certas atitudes devem ser evitadas

Muitos profissionais perderam seus postos de trabalho ao longo da crise dos dois últimos anos e estão em busca de recolocação. Conseguir uma entrevista de emprego, nestes dias, é motivo de comemoração. Por isso, o consultor de carreiras, coach e professor da IBE-FGV, Vagner Sandoval, recomenda muito cuidado. “Muitos colocam tudo a perder por causa de atitudes que parecem simples, mas possuem impactos negativos enormes”, alerta.

Veja as recomendações sobre o que não fazer.

Deixar o celular ligado. Pode ter certeza de que o entrevistador se irrita quando o celular toca numa entrevista. “É um ruído interfere e prejudica fortemente a concentração de ambos os lados, faz com que o processo de comunicação seja interrompido e demonstra que o candidato não está somente ali, focado, mas que também está conectado com todo o ambiente externo”, explica.

Inventar informações ou competências. O recrutador pergunta: você sabe falar em inglês fluentemente? O entrevistado responde: Sim, com certeza! E o entrevistador sugere: então vamos continuar a entrevista falando em inglês! E quando a conversa começa a coisa desanda. “Neste caso, o entrevistador percebe que o entrevistado faltou com a informação correta e conclui que ele foi enganado. E o problema aqui é maior ainda, pois o entrevistador conclui que ele pode estar mentindo sobre outras coisas também”.

Ser arrogante. “Porque eu fiz, porque eu sou, porque eu faço, porque eu posso, porque eu sei. Irritada, a conclusão da maioria dos recrutadores é que com o ego tão grande assim, o profissional vai ter problemas de relacionamento com os demais membros do time”, diz Sandoval. Segundo ele, a decisão é por deixar “a humilde pessoa” ir para outra empresa e evitar outros problemas.

Falar palavrão. Para o professor, isto irrita e até choca porque, se na entrevista, que é um momento extremamente formal em que o candidato está sendo avaliado, ele é extremamente informal e deseducado, imagina quando estiver com os amigos no ambiente de trabalho. “Ele não vai entrar na empresa para resolver problemas, mas sim para gerar problemas”, avalia.

Falar demais. Isto não pega bem porque a entrevista segue um roteiro para com tempo previsto. “Quando o candidato é prolixo, ou seja, fala mais palavras do que o necessário e concede respostas extremamente longas, o roteiro/planejamento do entrevistador é quebrado, o que o irrita profundamente porque ele não conseguirá coletar todas as informações necessárias sobre o candidato”.

A dica é sempre ter uma postura de respeito, ser assertivo, manter a humildade e não querer mostrar aquilo que não é. “Os recrutadores enxergam toda a comunicação, verbal e não verbal. É preciso ter calma e manter sua melhor postura”, recomenda o professor da IBE-FGV.

Anúncios