Amazon cresce e mantem 1º lugar como marca mais valiosa de varejo

Amazon cresce 41% para manter o primeiro lugar como a marca global mais valiosa de varejo no BrandZ™ Top 100 2017

Amazon e Alibaba agregam presença física aos ecossistemas tecnológicos; Walmart e Home Depot investem em digital

A Amazon manteve o seu título de marca de varejo mais valiosa do mundo no Ranking 2017 BrandZTM Top 100 Most Valuable Global Brands, lançado pela WPP e Kantar Millward Brown.

A marca também teve o crescimento mais rápido no BrandZ Retail Top 20, acima de +41% (US$ 40,1 bilhões), ano a ano, graças à sua contínua inovação. A Amazon fez as compras online ficarem mais rápidas e mais convenientes com iniciativas como Amazon Prime Pantry e Amazon Prime Now. Também construiu sua reputação como empresa que repensa todas as formas de varejo com conceitos para lojas check-out free, onde o pagamento é feito por meio de um aplicativo, sem ter que passar no caixa.

Inovações como Amazon Echo & Alexa combinadas com movimentos para desenvolver os benefícios de se inscrever no Prime também reforçaram o poder de seu ecossistema tecnológico, fortalecendo a fidelidade e a satisfação do cliente.

As oportunidades apresentadas por lojas físicas (Brick-And-Mortar) também foram aproveitadas pela Alibaba, líder de comércio eletrônico da China, que manteve a segunda posição nas marcas de varejo TopZ BrandZ com um valor de marca de US$ 59,1 bilhões. A empresa entrou em parceria com o Grupo Bailian, que opera quase 5.000 lojas na China. O movimento também expande o ecossistema do grupo, permitindo que a Alibaba ligue suas plataformas de comércio eletrônico online, Tmall e Taobao, e sua função de pagamento Alipay, com Bailian.

A Alibaba também está construindo uma atuação global e agora é uma das principais vendedoras automotivas na Rússia, de acordo com a Kantar Retail, e está investigando o estabelecimento de um centro de logística na Bulgária e um centro de distribuição na Croácia.

A experiência da China no comércio eletrônico também se reflete na presença do JD.com, no Top 10 de varejo pela primeira vez, com um valor de marca de US$ 10,7 bilhões, +3%. A JD.com estabeleceu uma parceria com o Walmart, dando-lhe uma escala adicional.

O sucesso dos gigantes do comércio eletrônico ajudou o varejo a se tornar o setor de crescimento mais rápido no ranking BrandZ deste ano, +14% em relação a 2016. Esta é uma tendência de longo prazo com o valor da marca dos players de comércio eletrônico aumentando coletivamente em mais de +380% nos últimos 12 anos, enquanto os varejistas tradicionais perderam -23% do seu valor em geral.

Como a maior e definitiva plataforma de construção de marca do mundo, o ranking BrandZ reflete as marcas que estão integradas nos estilos de vida do consumidor atual. Este é o único estudo de avaliação de marcas que combina entrevistas com mais de 3 milhões de consumidores globalmente, análise de resultados e análise de performance de cada empresa (usando dados da Bloomberg e da Kantar Worldpanel).

As marcas rivais do Top 20 de varejo estão intensificando seus esforços digitais. O Home Depot, especialista em melhoria domiciliar (marca nº 3, +11% a US$ 40,3 bilhões), investiu em digital, alavancando o tamanho e a gama de produtos de suas lojas para oferecer aos clientes uma variedade de maneiras de comprar, incluindo clicar e coletar.

O Walmart (marca nº 4, crescendo +2% para US$ 27,9 bilhões) adquiriu vários varejistas de vestuário de comércio eletrônico, bem como a Jet.com, um player de comércio eletrônico com histórico de incentivar os consumidores a gastar mais online através de preços baixos, mostrando quando eles podem economizar em determinadas compras. Além de estender o negócio online do Walmart, os movimentos ampliaram sua base de clientes com compradores mais jovens e mais urbanos que seus consumidores tradicionais.

O aumento do comércio eletrônico desafiou as marcas de varejo tradicionais a oferecerem novas formas de conveniência ao consumidor. A Target (nº 14, com US$ 8,7 bilhões) implementou um programa de remodelagem de lojas, projetadas para oferecer rotas de compras com base na finalidade de sua viagem. Muitos players do setor de supermercados também adaptaram seu foco no cliente; o Carrefour (nº17, com US$ 6,8 bilhões) implantou uma série de pequenas lojas de conveniência para complementar seus hipermercados.

David Roth, CEO da The Store WPP para EMEA e Ásia, disse: "O ritmo do varejo sempre foi rápido e furioso, mas nos 12 anos desde que os rankings do BrandZ começaram, as regras do jogo mudaram radicalmente. O Walmart foi superado como a marca de varejo mais valiosa do mundo pela Amazon e duas marcas chinesas de comércio eletrônico estão no Top 10. O comércio eletrônico reformulou radicalmente o mercado e as marcas de varejo e essas mudanças estão programadas para acelerar. As marcas de varejo que não oferecem experiência única e centrada no cliente online e offline continuarão a sofrer. O futuro do varejo não é o que costumava ser.”

The BrandZ Top 20 Most Valuable Retail Brands 2017

Rank 2017 Brand Brand value 2017 ($M) Brand value change Rank 2016 Rank in global Top 100
1 Amazon 139,286 41% 1 4
2 Alibaba 59,127 20% 2 14
3 The Home Depot 40,327 11% 3 24
4 Walmart 27,934 2% 4 31
5 Ikea 18,944 5% 5 53
6 Costco 16,257 12% 6 68
7 Lowe’s 13,375 3% 7 82
8 Ebay 12,365 7% 10 86
9 ALDI 12,273 2% 8 89
10 JD.com 10,768 3% 11
11 Walgreens 10,121 -2% 12
12 CVS 9,733 -19% 9
13 7-eleven 9,144 -2% 13
14 Target 8,660 -7% 14
15 Tesco 8,041 -10% 15
16 Lidl 7,193 5% 19
17 Carrefour 6,809 -12% 17
18 Woolworths 6,549 -12% 18
19 Kroger 6,493 -18% 16
20 Coles 5,449 N/A New

As tendências que se destacam no ranking BrandZ Global Top 100 deste ano incluem:

· A Amazon é agora uma das 5 marcas mais valiosas do mundo. Ela subiu para nº4 no Top 100 depois de aumentar o valor da marca +41% para US$ 139,3 bilhões. O gigante do varejo continuou a se concentrar em seu ecossistema tecnológico, aprimorado para atender às múltiplas necessidades dos consumidores, bem como a introdução de novos serviços habilitados para inteligência artificial, incluindo entrega de suprimentos e assistente pessoal Alexa.

· O Google, a Apple e a Microsoft mantêm as três principais posições, aumentando o valor da marca +7% para US$ 245,6 bilhões, +3% para US$ 234,7 bilhões e +18% para US$ 143,2 bilhões, respectivamente, durante o ano passado, enquanto o Facebook, nº 5, cresceu +27% para US$ 129,8 bilhões.

· As marcas fortes continuam a superar os seus concorrentes. Em comparação com os principais benchmarks nos últimos 12 anos, o portfólio de marcas BrandZ Top 100 cresceu 50% mais em valor do que o S&P 500 e 3,5 vezes mais que o MSCI All Country World Index.

· Os ecossistemas de tecnologia centrados no consumidor tornam as marcas indispensáveis. Os consumidores podem cada vez mais realizar uma série de atividades, desde compras online até assistir a televisão, sob a bandeira de uma marca e em vários dispositivos. Esta conveniência para os consumidores também permite que as marcas mais poderosas minimizem o risco de mudança dos consumidores.

· As novas marcas estão cada vez mais globais, permitindo-lhes crescer rapidamente. A tecnologia permite que as empresas apresentem suas ofertas globalmente desde o primeiro dia. Isto está promovendo uma nova geração de empreendedores, que não está restrita pelos limites geográficos ou setoriais que tradicionalmente limitaram a velocidade e a escala de crescimento.

· Empresas tradicionais não tecnológicas estão adotando a tecnologia para inovar e aumentar o apelo para consumidores. A rápida Adidas introduziu a impressão 3D para produzir seus calçados, por exemplo, enquanto a marca de fast food Domino´s Pizza oferece aos clientes um rastreador de pedidos em tempo real.

· As BrandZ Top 100 estão mais jovens. A atual média de idade das marcas é 67 anos, comparado com os 84 anos em 2006, refletindo a entrada de novas marcas de tecnologia e marcas chinesas emergentes.

· Marcas que deixam claro como melhorarão a vida de seus consumidores. Huawei e Toyota cresceram em média três vezes mais nos últimos 12 anos (o top third cresceu +170% comparado ao bottom third que foi de 57%).

· Uma boa comunicação coloca as marcas na dianteira. O top third com comunicações mais fortes (incluindo McDonald’s e L’Oréal Paris) aumentaram 196% em valor, comparado com 47% para o bottom third. Isso ocorreu, pois elas amplificaram com sucesso a diferença que elas criaram.

O relatório e o ranking BrandZ Top 100 Marcas Globais Mais Valiosas Most Valuable Global Brands, e uma grande quantidade de informações das marcas em regiões-chave do mundo e 14 setores de mercado, estão disponíveis online aqui. O relatório global, rankings, gráficos, e artigos podem também ser encontrados no app BrandZ que contém os mesmos recursos e funcionalidade para os relatórios regionais e seu download é gratuito para Apple IOS e todos os aparelhos Android devices no www.brandz.com/mobile ou procure por BrandZ nas lojas do iTunes ou Google Play.

Anúncios